“Homens que jogam com peixes”: mediação técnica e relações multiespécies na pesca potiguar

Paulo Almeida Filho

Resumo


Este artigo é uma apresentação parcial dos resultados da minha pesquisa de doutoramento que versa sobre a relação tríade homem-técnica-animal nas modalidades de pesca artesanal (em Caiçara do Norte) e industrial (em Natal). Em específico, abordo o jogo, uma categoria nativa que expressa na pesca artesanal a luta pela existência entre humanos e não-humanos no ambiente marinho. Jogar com o peixe é a operacionalização de duas competências que, etnograficamente, chamo de perícia-técnica (o domínio das técnicas de pesca) e moral-técnica (o limite que orienta a predação). Essas duas categorias etnográficas estão presentes nas duas modalidades de pesca, e embora se processem de forma distintas, estão articuladas à organização política de ambas, uma vez que a competência técnica confere ao pescador prestígio social em seu agrupamento. Em suma, trata-se de um exercício comparativo, cujo intuito é tornar lúcidas as interseções entre as as pescas estudadas.

PALAVRAS-CHAVE: Jogo; Coletivos Pesqueiros; Técnica; Relações Humano-animal.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.